Fotografias - Viagem

Império Novo


O vale de reis
Vale de reis

O Império Novo é considerado hoje como uma continuidade, em certa medida, do Império Médio. Decorreu entre c. 1560 e 1070 a. C., correspondendo ao período entre a XVIII e a XX dinastia. Também irradiou de Tebas, iniciando-se sob o signo da recuperação da identidade egípcia perdida durante o Segundo Período Intermédio (ou Período dos Hicsos, povo que invadiu o Delta). É também conhecido como Segundo Império Tebano (o primeiro foi o Império Médio). O Império Novo celebrou também o Egipto como, talvez, a maior potência política, militar e económica da segunda metade do II Milénio a. C. O domínio egípcio estendeu-se a leste até ao Eufrates, com avanços e recuos, e a sul até à quinta catarata do Nilo, no reinado de Tutmés I, com uma forte presença na região Síria, na Palestina e na Mesopotâmia ocidental, criando uma situação de alguma prosperidade e riqueza proveniente do exterior, sendo visível inclusive a presença de influências estrangeiras nas tradições culturais, na língua e na religião.

O vale de reis


Os territórios dominados eram administrados pelo exército egípcio e sobretudo por funcionários civis, nomeadamente governadores provinciais, os rabisu, permanecendo muitos centros de população nas mãos de príncipes locais. O panorama de conquista cultural e militar egípcia era visível nas cidades amuralhadas e nos postos comerciais existentes por quase toda a Núbia.

Do Império Novo chegam-nos nomes como Tutmés III e sua rainha e regente, Hatchepsut, que conduziram o Egipto ao domínio territorial de vastas regiões até ao Eufrates, além da manutenção das expedições à Síria.

Depois, veio a prosperidade com Amen-hotep (Amenófis) III, pai do polémico e revolucionário Amen-hotep IV, o faraó que elegeu Aton como deus único e mudou o seu nome para Akhenaton e também a capital egípcia para Akhetaton (Amarna), iniciando o período mais peculiar do Império Novo, do monoteísmo e das reformulações estético-artísticas subjacentes. A imposição de Aton como deus único e a supressão dos restantes cultos no seio de uma sociedade profundamente politeísta provocaram uma crescente hostilidade, que após a sua morte levou à destruição de monumentos e legados relacionados com a figura do faraó e do seu deus. Com o jovem Tutankhamon (suposto filho do herético Akhenaton), repõe-se a antiga ordem egípcia, abandonando-se Akhetaton e aniquilando-se toda e qualquer memória do faraó monoteísta.

A XIX dinastia começará com Ramsés I, sucedido por Seti I, que encetou várias campanhas contra a Líbia e a Palestina. Depois veio o mais longo reinado (67 anos) do Império Novo, com Ramsés II, que faz a paz com os Hititas, iniciando um período de crescendo económico e alterações sociais. O seu sucessor, Merenptah, verá o Egipto ser atacado pelos obscuros Povos do Mar, os quais vence mas não afasta, além dos Líbios. Com a XX dinastia, surgem novas vagas de Povos do Mar no Egipto, rechaçadas pelo provavelmente último grande faraó da história do Egipto, Ramsés III, que não conseguiu, todavia, impedir o enfraquecimento ulterior do mundo egípcio, fruto do poder crescente do clero, autonimizado cada vez mais, da corrupção e enriquecimento dos funcionários provinciais e do poder militar dos caros mercenários, que exauriam os cofres dos reis da XX dinastia (e se insubordinaram), que teve depois de Ramsés III reinados curtos e cheios de problemas e crises. No fim, com os ricos e poderosos clérigos de Amon, estalou a guerra civil em Tebas, entre o sumo-sacerdote daquele deus e o vice-rei da Núbia (uma colónia egípcia). Era a agonia do Império Novo, já sem os tributos da Síria, da Palestina, da Fenícia, com uma administração corrupta e vândala, que até pilhava túmulos reais, greves, fomes e tumultos. E para piorar, até o Nilo, teve caprichos como nunca, com cheias desreguladas no calendário e caudais incertos, o que significava a fome e a crise...

Mas o Império Novo foi o berço de grandes realizações humanas do Egipto Antigo e montra da sua civilização. Desde o Vale dos Reis, sepultura dos faraós deste período, aos templos de Lucsor e Karnak ou Abu Simbel, não faltam referências artísticas a esta época, muito conhecida pelo pobre e secundário túmulo de Tutankhamon, hoje mais considerado que outros similares desaparecidos mas de maior valor e brilho artísticos. A pintura, a escultura e o relevo, as artes menores e a literatura foram também soberbamente desenvolvidas e difundidas nesta época. O longo reinado de Ramsés II foi o mais fecundo período artístico do Império Novo, época de intercâmbios não apenas económicos mas também culturais, de afirmação do poder egípcio (protectorados de Canaã, Síria e Fenícia, paz e diplomacia mas também de animação cultural e religiosa. Depois do Império Novo, nunca mais o Antigo Egipto se reencontrou aos níveis de civilização que conhecera até à XX dinastia. © Egipto © Origem Emmanuel BUCHOT e Infopedia.

Fotos de países europeus

Imagens Republica Checa

Republica Checa

Fotos Informações

Imagens Croacia

Fotos de Croacia

Fotos Informações

Alemanha

Alemanha

Fotos Informações

Portugal

Portugal

Fotos Informações

Imagens Grecia

Imagens de Grecia

Fotos Informações

Imagens de Inglaterra

Inglaterra

Fotos Informações

imagens  Holanda

imagens Holanda

Fotos Informações

Eslovenia

Eslovenia

Fotos Informações

Imagens Dinamarca

Dinamarca

Fotos Informações

Imagens da Ásia

Imagens India

Imagens India

Fotos Informações

Imagens Vietnam

Imagens Vietnam

Fotos Informações

Imagens China

Fotos China

Fotos Informações

Imagens de Hong Kong

Fotos Hong Kong

Fotos Informações

Coreia do Sul

Coreia do Sul

Fotos Informações

Japao

Fotos Japao

Fotos Informações

Tailândia

Imagens Tailândia

Fotos Informações

Taiwán

Fotos Taiwán

Fotos Informações

Fotos da América

Estados Unidos

Imagens Estados Unidos

Fotos Informações

Canada

Fotos de Canada

Fotos Informações

Informações no site