Fotografias - Viagem

Origens da Suécia


Antigos os monumentos da Suécia
Antigos os monumentos da Suécia. Imagem E. Buchot

A Suécia é habitada desde 6000 a. C. Os Vikings suecos fundaram o principado de Novgorod entre os anos 800 e 1060 da era cristã. Em meados do século XII, os Suecos do Norte uniram-se aos Goths do Sul e aceitaram o cristianismo. Uma série de cruzadas levou a Suécia a submeter a Finlândia ao seu domínio. A Suécia, a Noruega e a Dinamarca estiveram unidas sob a dinastia de Danish, entre 1397 e 1520. Gustavo Vasa foi eleito rei da Suécia, estabelecendo a linhagem dos reis Vasa até 1720. Nesta altura a reforma cristã atingiu a Suécia, mas foi o luteranismo que triunfou como religião oficial do Estado. No século XVII a Suécia teve um grande poder na região do Báltico. O mais proeminente dos monarcas Vasa, Gustavo II, aliou-se aos protestantes alemães nas suas guerras contra os católicos austríacos. O estatuto de nação poderosa da Suécia começou a decair no reinado de Carlos XII, que foi desastrosamente derrotado na sua invasão da Rússia em 1709.

A morte deste na Guerra do Norte em 1718 marcou definitivamente o poder sueco na Europa. O fim do século seria marcado pela transição do absolutismo Vasa para um governo parlamentar. Embora a mudança tenha sido lenta, já que entre 1771 e 1792 o absolutismo foi restaurado por Gustavo III, a Suécia entrou nas guerras napoleónicas ao lado dos britânicos, mas a fraca liderança de Gustavo IV levou à perda da Finlândia para a Rússia em 1808. Gustavo foi deposto no ano seguinte, altura em que o marechal francês Bernadotte foi eleito príncipe da coroa com o nome de Carlos João. Nove anos mais tarde, em 1818, Carlos João tornou-se rei, sob o nome de Carlos XIV, estabelecendo uma nova dinastia. Apologista de uma política conservadora, manteve-se no poder até 1844, ano em que foi substituído pelo seu herdeiro directo.

Por sua vez, o seu filho Óscar I (1844/59) e o seu sucessor Carlos XV (1859/72) introduziram reformas liberais, incluindo o comércio livre, o melhoramento da educação e da representatividade do parlamento, o Riksdag. Em 1905 a união das coroas da Suécia e da Noruega foi dissolvida, durante o reinado de Óscar II. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Suécia manteve a neutralidade, mas o comércio entrou em rotura e a alimentação rareou. O período entre as guerras foi marcado pela ascensão do Partido Social-Democrata que adoptou uma política estratégica para ultrapassar a crise dos anos trinta. Com o eclodir da Segunda Guerra Mundial, a Suécia autodeclarou-se neutra e lutou com todos os meios para manter este estatuto.

Depois da guerra, passou a fazer parte das Nações Unidas, mas continuou a seguir a política de neutralidade recusando-se a fazer parte da NATO e da CEE. Desde então, o Partido Social-Democrata dominou a vida política, excepto no período de 1975 a 1982 e a partir 1991. Com a queda do bloco comunista, a Suécia abandonou a política de neutralidade, tornando-se membro da União Europeia em Janeiro de 1995. Os maiores receios da população sueca são as possíveis tensões raciais devido à entrada de imigrantes e refugiados da Finlândia, dos estados bálticos, da Itália, Grécia e Jugoslávia a seguir à Segunda Guerra Mundial. Um em cada dez cidadãos suecos nasceu no estrangeiro ou é filho de pais imigrantes.

O curso tranquilo da vida política da Suécia foi duramente abalado em Fevereiro de 1986, quando o primeiro-ministro Olof Palme foi assassinado numa rua de Estocolmo, sem que até à data a polícia tenha apanhado o autor do crime. Olof Palme foi eleito primeiro-ministro em 1969 e levou por diante duas grandes reformas da Constituição. Reduziu as câmaras do Parlamento de duas para uma, em 1971, e em 1975 removeu os poderes constitucionais dos monarcas. Em 1976 foi derrotado, mas voltaria a governar em 1982 com um governo minoritário. Olof Palme teve de enfrentar as deterioradas relações com a União Soviética provocadas pelas suspeitas de violação das águas territoriais suecas pelos submarinos soviéticos.

A forma de governo na Suécia é uma monarquia constitucional em que o chefe de Estado é o rei, que tem uma mera função formal, e o chefe do governo é o primeiro-ministro. A constituição de 1809, emendada muitas vezes, baseia-se em quatro leis fundamentais: o acto instrumental do governo, o acto de sucessão, o acto de liberdade de imprensa e o acto de Riksdag. O Riksdag é o parlamento unicameral constituído por 349 membros eleitos por sufrágio universal. © Suécia. © Origem Emmanuel BUCHOT e Infopedia.

Fotos de países europeus

Imagens Republica Checa

Republica Checa

Fotos Informações

Imagens Croacia

Fotos de Croacia

Fotos Informações

Alemanha

Alemanha

Fotos Informações

Portugal

Portugal

Fotos Informações

Imagens Grecia

Imagens de Grecia

Fotos Informações

Imagens de Inglaterra

Inglaterra

Fotos Informações

imagens  Holanda

imagens Holanda

Fotos Informações

Eslovenia

Eslovenia

Fotos Informações

Imagens Dinamarca

Dinamarca

Fotos Informações

Imagens da Ásia

Imagens India

Imagens India

Fotos Informações

Imagens Vietnam

Imagens Vietnam

Fotos Informações

Imagens China

Fotos China

Fotos Informações

Imagens de Hong Kong

Fotos Hong Kong

Fotos Informações

Coreia do Sul

Coreia do Sul

Fotos Informações

Japao

Fotos Japao

Fotos Informações

Tailândia

Imagens Tailândia

Fotos Informações

Taiwán

Fotos Taiwán

Fotos Informações

Fotos da América

Estados Unidos

Imagens Estados Unidos

Fotos Informações

Canada

Fotos de Canada

Fotos Informações

Informações no site